20 de set de 2008

400 assistem ao Comunicar e Crescer em Araçatuba


Em 16 de setembro, a cidade de Araçatuba recebeu a terceira edição do seminário Comunicar e Crescer. E mais uma vez a cidade correspondeu às expectativas da Associação Brasileiras das Agências de Publicidade: cerca de 400 micros, pequenos e médios empreendedores, além de publicitários e estudantes de comunicação compareceram ao auditório da UNIP para acompanhar, por mais de duas horas, as dicas da ABAP para que desenvolvam seus empreendimentos através da construção de marcas fortes.

16 de set de 2008

Tem rosca na roda


Os gaúchos - meus conterrâneos - têm cada uma. Agora resolveram anunciar a nova tampa de uma marca de leite com um outdoor, no mínimo, engraçado, ainda que, em tese, involuntariamente. Mas, convenhamos, anunciar que tem novidade na roda e que essa novidade é uma rosca dá margem para interpretações as mais diversas. E divertidas. Sem querer fazer mais trocadilho, acho que o outdoor, sem querer, acabou queimando a rosca.

4 de ago de 2008

Comunicar e Crescer reúne 200 empresários em Maringá


A terceira edição do seminário Comunicar e Crescer em Maringá era para ter sido realizada na sede do SESI. Um número surpreendente de interessados, no entanto, obrigou a Rede Paranaense de Comunicação a alterar o local para o centro de eventos do Hotel Mabu Golden. O público presente, formado por micros, pequenos e médios empreededores de Maringá e região, além de publicitários e profissionais de veículos, acompanhou a apresentação por mais de duas horas na noite de 30 de julho, tendo sido ocupada, ainda, quase uma hora por perguntas da platéia. Com o seminário sendo levado, também, em Curitiba, Londrina, Cascavel e Foz de Iguaçu, o Paraná é o segundo estado com mais cidades contempladas por apresentações do Comunicar e Crescer.

29 de jul de 2008

A frase do dia

"Eu sou contra a reeleição" (João Gonçalves, candidato à prefeito de João Pessoa, em visita ao TRE). Agora vai. Só fica faltando o eleitor ser a favor da eleição dele.

Não vai dar certo...


Deu no portal www.ararunapb.com.br: "Juiz suspende programas em Araruna - O juiz da 20ª Zona Eleitoral da Paraíba, Ricardo da Silva Brito, suspendeu repasses de recursos de todos os convênios celebrados entre o Governo do Estado e associações comunitárias do Município de Araruna, incluindo o que permite a distribuição de cheques moradia. O magistrado concedeu liminares em duas representações e uma Ação Eleitoral de Investigação Judicial (AIJE) impetradas pela coligação 'Confiança do Povo', formada por PMDB, PSB, PSL, PRB e PSC, encabeçada pela candidata a prefeita, Wilma Maranhão. A coligação alegou que os benefícios oriundos dos convênios beneficiavam diretamente o candidato a prefeito adversário, Vital da Costa Araújo (PDT), apoiado pelo governador Cássio Cunha Lima (PSDB)." Ave Maria! Parece que Maranhão não aprendeu com 2006, quando seguiu o conselho do "professor" Lavareda e descolou de Benjamim e Ney. Afinal, será que seus conterrâneos araruneses querem lá saber se os recursos beneficiam os candidatos fulano ou ciclano? Pior é agora, que todos vão saber por culpa de quem foi que o dinheiro não veio.

Vão ficar fazendo o quê?


"Paraíba não vai aderir à greve dos aeroportuários, confirma Infraero." Por horas, esta foi a principal manchete do portal WSCOM na terça-feira, 29 de julho. Fiquei me perguntando qual a razão de se dar tanta relevância para uma decisão que não altera em nada as conseqüências da greve na Infraero para os passageiros que partem ou chegam à João Pessoa. Se há greve em São Paulo, Rio, Brasília e Recife é o suficiente para isolar a Paraíba. Por maior que seja a boa vontade dos funcionários da Infraero regional em manter-se nos postos vão ficar tão paradinhos quanto os grevistas.

28 de jul de 2008

Anderson Pires, marqueteiro de João Gonçalves?



Circulam informações de que o ex-publicitário e ex-militante petista, Anderson Pires, assumiu a campanha de João Gonçalves. Parece que o convite foi aceito não apenas pela necessidade de ocupação do rapaz, mas também pela oportunidade dele dar umas bordoadas em Ricardo Coutinho, desafeto dos tempos da política partidária petista. Por outro lado, a "contratação" deixa o marketing cassista/gouveista ocupado com o que realmente importa e sem a obrigação de comprar briga com o prefeito de João Pessoa, liderança poderosíssima para os próximos anos. Parece ser o caso de um marqueteiro descartável para uma candidato inviável...

26 de jul de 2008

Bem que eu gostaria, mas tive que optar.


Foi tudo acertado durante o IV Congresso Brasileiro de Publicidade: eu assumiria a coordenação de marketing de uma campanha para prefeito em João Pessoa. Só que, na semana passada, depois de algumas reuniões com meus clientes perenes, chegamos todos à conclusão de que seria absolutamente inviável eu dedicar-me integralmente a um único compromisso por tanto tempo. E tive de renunciar ao convite. Mas prometo acompanhar tudinho, daqui de São Paulo, e compartilhar com meus leitores minhas impressões sobre as campanhas, principalmente de João Pessoa e de Campina Grande.

24 de jul de 2008

Paraíba x TAM: que vexame!

Benvindo ao Guararapes

A Paraíba tem coisas bizarras. A mais recente é a tentativa do senador Efraim Morais de convocar seus pares para pressionar a TAM a manter a freqüência de seus vôos para João Pessoa. Patético! Por menos simpatia que eu tenha pela TAM, não há como compactuar com esse tipo de intervencionismo político nas decisões de uma empresa privada. O que ocorre é que a Paraíba não gera demanda que justifique mais vôos. Quem gostava de voar no prejuízo para fazer bonito com o governo era a Varig. Por conta disso, quebrou. O fato é que, como eu já havia sugerido no meu primeiro "Moído da Semana", em 2006, ainda no Jornal da Paraíba, no dia em que a duplicação da BR 101, entre João Pessoa e Recife, fosse concluída o Castro Pinto perderia o sentido. É isso mesmo, é o que vai acontecer. Vai todo mundo embarcar no Guararapes, depois de uma hora de estrada, como fazem os paulistanos que embarcam em Cumbica. A reforma do Castro Pinto foi o maior desperdício de dinheiro público que eu já vi na vida. Inútil e com um resultado esteticamente estarrecedor. Sugestão: ônibus confortáveis, com ar-condicionado e serviço de bordo levando os pessoenses para o aeroporto de Recife.

18 de jul de 2008

Alguém iria votar seja em quem for sem receber algum?


As revelações dos diálogos, obtidos pela Polícia Federal, na Operação Sufrágio, realizada na Paraíba, além de outras denúncias recorrentes de compra de votos, me deixam com a seguinte impressão: se todos os candidatos fizessem um acordo, em que fosse determinado que nenhum deles daria nenhum centavo para ninguém para comprar votos, provavelmente a eleição seria anulada por falta de quorum. Já imaginou o escândalo? "Eleição é anulada na Paraíba: ninguém foi votar." Os valores declarados nos telefonemas grampeados dão bem a medida da extensão da compra de votos, que chega às margens mais distantes dos centros de poder, onde grassa a miséria, inclusive moral, a ponto de se vender o voto por uns trocados. Negócios, empregos e esmolas, eis os interesses que movem as campanhas eleitorais e o exercício do voto. E agora? Suspende-se a distribuição de dinheiro, mesmo sob o risco da eleição ser anulada por falta de eleitores?